Golpe do Motoboy – Veja o que é e como se defender

Golpe do Motoboy é um golpe utilizado para roubar e utilizar seus cartões do banco. Com ele, estelionatários se passam por funcionários do banco, enviando um motoboy até sua casa para retirar os cartões. Assim, eles gastam valores altíssimos nos seus cartões de crédito e débito.

Para piorar, o banco se recusa a devolver o que foi gasto, porque afirma que você passou seu cartão e senha.

Mas afinal, o que fazer se eu cair no Golpe do Motoboy? Fique calmo, preparamos este post para te ensinar todo o passo a passo para conhecer como isso ocorre, como agir e, melhor ainda, como recuperar os valores perdidos.

Aqui, o primeiro mais importante passo é: nunca dê seu cartão e senha do banco para ninguém, mesmo que seja um funcionário, se recuse.

Isto porque, o Golpe do Motoboy utiliza de uma estratégia dos estelionatários para induzir você a erro, se passando por funcionários do banco. Eles, inclusive, possuem seu nome completo, endereço, telefone, CPF e até mesmo seus dados bancários!

Por isso, muitas pessoas estão sendo vítimas do Golpe do Motoboy, em especial os mais idosos. É muito importante passar estas informações para seus pais e avós, eles são as maiores vítimas da fraude.

Atualmente, vemos milhares de pessoas caindo do golpe do Motoboy, que Banco Central incluiu ele na lista de fraudes mais comuns.

O que é o Golpe do Motoboy?

Na primeira etapa, o Golpe do Motoboy começa com uma ligação. Geralmente em um telefone fixo, uma pessoa irá se passar por um funcionário do seu banco e terá diversos dados pessoais seus.

Assim, os golpistas costumam confirmar seu nome, endereço, telefone, CPF e informações bancárias, inclusive suas últimas compras. Após isso, os estelionatários questionarão se você realizou algumas compras no seu cartão, citando diversas cobranças diferentes.

No entanto, você não terá realizado estas compras. Neste momento, você ficará desesperado e a pessoa dirá para ligar na central de atendimento do banco, telefone contido no verso do cartão.

Agora, eles irão desviar a ligação que você realizou, aqui é onde o Golpe do Motoboy faz com que tudo pareça real. Isto porque, seu telefonema em tese é realizado diretamente ao banco.

Feito isto, será simulada uma chamada parecida com os call centers e realizarão uma simulação de cancelamento do cartão, aqui surge a segunda etapa do golpe. Realizadas todas as etapas, os estelionatários pedirão que você digite a senha para confirmar o bloqueio do cartão.

Agora, os golpistas possuem sua senha e informarão que o banco irá enviar um motoboy até sua casa, a fim de retirar o cartão clonado para uma análise.

Com a entrega de seu cartão ao motoqueiro, lembrando que os golpistas possuem a senha que você digitou, você acaba de ser vítima do Golpe do Motoboy.

Após isso, eles realizarão diversas compras com o seu cartão.

Fui vítima. E agora?

Calma, muitas pessoas caem no Golpe do Motoboy, nem tudo está perdido!

Inicialmente, você deve ir até uma delegacia de polícia, levar seus extratos
e fazer um boletim de ocorrência. Veja, esta é uma medida essencial e deve ser
feita rapidamente.

Após isso, entre em contato com seu banco e conteste as compras. Nesta etapa, você deve informar o que houve e enviar que realizou um boletim de ocorrência. Aqui, você irá solicitar que os gastos não reconhecidos sejam estornados imediatamente.

Infelizmente, este pedido será negado. Normalmente, os bancos se recusam a estornar as compras, afirmando que o cliente entregou o cartão e senha para os criminosos, facilitando o golpe.

No entanto, está conduta dos bancos não está correta. Você não entregou os dados porque quis.

Isto porque, o Golpe do Motoboy ocorreu porque houve falha na prestação de serviços do próprio banco.

Lembra que o golpista tinha todos os seus dados? Pois é, foi o próprio banco que cometeu falhas e permitiu o vazamento destes dados. O Golpe do Motoboy ocorre justamente em razão desta falha.

Veja, o banco é prestador de serviços e é responsável por eventuais fraudes, mesmo que ocorridas fora do estabelecimento. Quem diz isso é o próprio Superior Tribunal de Justiça, através da Súmula 479.

Certo. Mas como eu faço para recuperar os valores?

Este é o momento mais delicado, mas você tem boas chances de recuperar tudo que perdeu.

O primeiro passo e muito importante, os Tribunais de Justiça de cada Estado atuam de forma diferente. Por exemplo, enquanto em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília é muito comum ganhar este tipo de ação judicial, em Minas Gerais é um pouco mais complexo.

Agora, você precisará entrar com uma ação contra o banco. Fique tranquilo, um bom advogado poderá te auxiliar e suas chances são muito boas, desde que com um auxílio de um profissional experiente.

Ademais, você terá duas opções, a primeira delas é ir diretamente a um Juizado Especial Cível, o famoso “Pequenas Causas”. Se o golpe sofrido foi em valor menor de 20 salários mínimos, eles te ajudarão a entrar com uma ação sem advogado.

No entanto, nós recomendamos que você busque um advogado especialista e experiente nestas demandas. Como explicamos aqui, é uma ação complexa e que diversos cuidados têm que ser tomados.

Além disso, é uma tese recente e que deve ser trabalhada por um advogado que conheça bem. Um profissional que não tenha experiência nestas demandas pode te fazer perder mais dinheiro.

Ótimo, mas onde encontro um advogado que tenha conhecimentos neste tipo de trabalho? Bom, nisso nós podemos te ajudar!

Entre em contato com a gente por aqui ou através das redes sociais que você encontra facilmente em nossa página. Iremos resolver esse problema pra você!

Gostou do artigo ou tem alguma sugestão? Deixe seu comentário para sabermos.

Ah, e não esquece, compartilha estas informações com as pessoas, em especial com os mais velhos. Isso poderá ajudar eles a não cair no Golpe do Motoboy!

Artigo elaborado por Letícia Marques

Posted in Direito do Consumidor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *